8 de fev de 2016

OS “INTELECTUAIS” E A POLÍCIA - Por Anderson Duarte - 1° Ten PMCE



Durante muito tempo, os intelectuais brasileiros deixaram de problematizar as questões relativas à polícia. Preferiram se omitir com covardes discursos panfletários que são ingênuos ou estúpidos, do tipo “pelo fim da polícia!”, “Morte aos policiais!” e outros do gênero que em nada contribuíram com o debate, a não ser em afastar ainda mais a polícia da universidade e vice-versa.
Posteriormente, outros pensadores mais corajosos passaram a discutir, criticar e pensar acerca de como reformar, melhorar ou transformar as estruturas policiais, tão importantes em qualquer sociedade. Entre estes últimos, destacam-se inclusive alguns policiais, que pagaram um alto preço por produzir pensamento em um lugar não muito propício a isso. No entanto, se avançamos em alguns aspectos em nossas instituições, foi por causa deste esforço.
Aí, ainda hoje, quando vejo os “intelectuais” do alto de sua estupidez encastelada tentando desqualificar o discurso de pensadores esforçados em transformar a polícia, dizendo: ah, você é policial? Não respeito e não gosto de policiais. Tem é que acabar com a polícia! Etc., pergunto-me se ainda há na universidade quem ensine tais asneiras ou é apenas burrice, covardia, preguiça intelectual ou má-vontade desses caras mesmo.
Texto retirado de uma rede social.