1 de fev de 2016

Novo modelo de uso da Base Aérea de Santos prevê construção de aeroporto civil

Guarujá (SP), 19/12/2015 - Os nove municípios que integram a Baixada Santista, em São Paulo, devem ser beneficiados, ainda em 2016, com o início das operações do Aeroporto Civil Metropolitano de Guarujá (ACMG), que será construído em parte da área da Base Aérea de Santos, ligado ao IV COMAR. Essa é a previsão da prefeitura de Guarujá, que apresentou o projeto ao ministro da Defesa, Aldo Rebelo, na manhã deste sábado (19), no auditório da Base.
Foto: Gilberto Alves / MD
O projeto do aeroporto de Guarujá começou a ser discutido com a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e com a FAB, em 2011
O projeto do aeroporto de Guarujá começou a ser discutido com a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e com a FAB, em 2011
Rebelo conheceu também o novo projeto do IV COMAR para uso da Base Aérea de Santos, que chegou a ser desativada. A implantação do aeroporto regional faz parte desse novo modelo idealizado pelo IV COMAR e apresentado pelo brigadeiro Damasceno, atual chefe do comando.
“A Base Aérea santista é uma referência. Passou por momentos de dificuldades, mas retomou suas atividades. E hoje tem como destino partilhar sua condição de base área com a construção de um projeto de aeroporto civil que será de grande importância para dar sustentação aos projetos econômicos e ao desenvolvimento de toda a região da Baixada Santista”, disse o ministro Rebelo.
A prefeita de Guarujá, Antonieta, saudou a visita do ministro, que, segundo ela, sempre teve preocupação com a região. “Vamos construir esse sonho da Baixada Santista com o apoio da Força Aérea Brasileira. O aeroporto ligará uma região de grande importância econômica a todo o Brasil”, afirmou. O prefeito de Bertioga, José Orlandini, acompanhou o evento, junto a vereadores e autoridades locais.
Também presente ao encontro, o deputado federal João Paulo Papa, ex-prefeito de Santos, comemorou o projeto. “A Baixada Santista acompanha com muita atenção este projeto que agora está no momento certo para decolar”, disse. “O aeroporto fará da Baixada uma região muito mais forte, com mais empregos e com novas alternativas para a economia local”, continuou.
O projeto do aeroporto de Guarujá começou a ser discutido com a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e com a FAB, em 2011. Dois anos depois, foi concedida a outorga de funcionamento. De lá para cá, foram feitos estudos técnicos de viabilidade, obtida a anuência da SAC para a concessão e ampliação da área pela FAB. O aeroporto, que já obteve aprovação do poder legislativo local, começa a ser construído no início do segundo semestre de 2016. Para tanto, não será necessária nenhuma desapropriação.
Foto: Gilberto Alves / MD
O ministro fez referência a José Bonifácio Andrada e Silva para destacar sua atuação no processo de construção e desenvolvimento do País
O ministro fez referência a José Bonifácio Andrada e Silva para destacar sua atuação no processo de construção e desenvolvimento do País
Base Aérea
O novo modelo de uso da base santista prevê, segundo o brigadeiro Damasceno, a redução da área de atuação da base e a parceria com entidades públicas e privadas licitadas para fazer uso de parte da sua área. O projeto prevê a instalação em parte outorgada do terreno de uma escola estadual e de uma área de adutoras da Sabesp (o que permitirá, pelo processo de permuta, a redução nas contas de água e esgoto da base).
Além da área destinada ao aeroporto, a base dividiu cinco terrenos para serem licitados e utilizados em projetos de interesse da FAB, por meio de processos de permuta. As mudanças reduzirão a área de atuação da base a 6,8% do terreno original, de 2,8 milhões de metros quadrados. Na área da base, um hospital será construído para atender mais de cinco mil militares da região.“Vamos manter a nossa presença estratégica para o Comando da Aeronáutica e dar nova vida à posição estratégica da região”, disse o brigadeiro Damasceno.
“É promissor que, em meio às atuais adversidades políticas e econômicas, estejamos celebrando um projeto tão importante para o Brasil e os municípios que fazem parte dessa região”, afirmou o ministro. Segundo ele, o projeto da Base Aérea de Santos é uma demonstração desse papel que exercem as instituições militares, de defesa do território brasileiro e também de construção do País. “O desenvolvimento da nação também faz parte da nossa política de defesa. E acho que essa compreensão está ajustada a um país ainda desigual como o Brasil”.
Em discurso, o ministro também fez referência a José Bonifácio Andrada e Silva para destacar sua atuação no processo de construção e desenvolvimento do País. O busto do Patriarca da Independência adorna o pátio central da Base Aérea de Santos.
Por Fernanda Melazo

Assessoria de Comunicação
Ministério da Defesa