6 de ago de 2015

River Plate da Argentina bate Tigres do México e é tri da Copa Libertadores da América

Alario assumiu o posto de Teo Gutiérrez e não decepcionou
Alario assumiu o posto de Teo Gutiérrez e não decepcionou - Foto: Juan Ignacio Roncoroni / EFE


Se havia alguma dúvida de que o River Plate voltaria a ocupar o posto de melhor clube da América, essa desconfiança teve um ponto final na noite desta quarta-feira. Com o Monumental de Nuñez completamente lotado, os argentinos não tiveram dificuldades para atropelar os mexicanos do Tigres por 3 a 0 e conquistar, após 19 anos de jejum, pela terceira vez na história o título da Copa LibertadoresVeja como foi a partida minuto a minuto. 

O título coroa uma fase de renascimento do River Plate. Após reconquistar um lugar na elite do futebol argentino, já que há três anos disputava a segunda divisão, o clube foi campeão nacional e da Copa Sul-Americana em 2014, títulos que lhe credenciaram para a Libertadores desta temporada. A equipe também faturou a Recopa no ano passado, construindo uma hegemonia que há muito tempo não se via no continente. Seus outros triunfos na competição mais importante da América aconteceram em 1986 e 1996.
Na partida de ida, o Tigres teve a oportunidade de abrir vantagem na sua casa, em Monterrey, em uma reedição do confronto dos classificados do Grupo 6. Porém, o clube mexicano não aproveitou o apoio do torcedor, e o desfecho foi o mesmo dos dois duelos realizados pelas equipes na primeira fase: empate, mas, desta vez, por 0 a 0.
Precisando apenas de uma vitória para levar a taça, River Plate e Tigres fizeram um primeiro tempo de poucas emoções, com muitos erros de passes e faltas duras, que resultaram em cinco cartões amarelos, um para os argentinos e quatro para os mexicanos. Quando a etapa inicial parecia que terminaria sem gols, Vangioni fez boa jogada e levantou na medida para Alario cabecear e explodir o Monumental de Nuñez.
River Plate conquista tricampeonato da Libertadores
River Plate conquista tricampeonato da Libertadores
Foto: Juan Ignacio Roncoroni / EFE
Na volta do intervalo, o River Plate provou porque voltou a ser considerado um dos clubes mais fortes do continente. Sem dar chance ao ataque mexicano, os donos da casa melhoraram no setor ofensivo e marcaram mais duas vezes. O segundo gol foi anotado por Sánchez, em cobrança de pênalti, enquanto o terceiro, que selou a vitória, saiu da cabeça de Funes Mori após batida de escanteio.
Campanha inesquecível
O tricampeonato do River jamais será esquecido pelos torcedores. Além de se igualar a Santos, São Paulo, Nacional e Olimpia, todos com três taças, esta edição ainda teve momentos marcantes para os argentinos. Isso porque, nas oitavas, classificado com a pior campanha da primeira fase, encarou o Boca Juniors. Depois de vencer em casa por 1 a 0, o River precisa apenas de um empate em La Bombonera para avançar. No intervalo, torcedores locais dispararam um spray com pimenta no túnel do rival quando os jogadores voltavam a campo. A partida foi suspensa e o River declarado vencedor.
Sinalizadores ditaram o clima da decisão da Libertadores
Sinalizadores ditaram o clima da decisão da Libertadores
Sinalizadores ditaram o clima da decisão da Libertadores
Foto: Gabriel Rossi / Getty Images
Outro fato marcante daconquista foi a forma como o River avançou às oitavas de final. Com apenas sete pontos ganhos, os argentinos só conseguiram se classificar graças a uma ajuda do adversário da decisão. No mesmo grupo, o Tigres, que já estava garantido na próxima fase, venceu os peruanos do Juan Aurich por 5 a 4, em um jogo com várias reviravoltas, salvando a pele do time portenho.
Tabu mexicano
Com o vice-campeonato do Tigres, o México segue sem ter um campeão na história da Copa Libertadores. Cruz Azul, em 2001, e Chivas Guadalajara, em 2010, também chegaram perto, mas acabaram derrotados por Boca Juniors e Internacional, respectivamente.