5 de ago de 2015

Ministério da Agricultura determina que cavalos do Exército e da PMERJ com suspeita de doença incurável fiquem isolados, enquanto cavalos da elite carioca também suspeitos são liberados.

Enquanto cavalos do Exército com suspeita de mormo, doença equina incurável, continuam isolados em Deodoro, zona oeste do Rio, próximo ao local onde ocorrerá as provas de hipismo da Rio-2016, animais da Sociedade Hípica Brasileira que tiveram contato com esses cavalos devem ser liberados nesta terça (4) após o resultado do teste em um laboratório da cidade.

A Sociedade Hípica Brasileira é um clube localizado na Lagoa, zona sul, e mantém aulas de hipismo para a elite carioca. No local, há somente cavalos particulares que podem custar até R$300 mil.

No primeiro semestre, 14 cavalos do Exército estiveram no clube e, por isso, o Ministério da Agricultura determinou sua interdição preventiva, no dia 23 de julho.

Como os laboratórios no país não têm a norma de qualidade internacional para mormo, o Ministério da Agricultura determinou que os 584 exames de Deodoro fossem feitos na Alemanha.

Os cavalos da hípica, no entanto, devem ser liberados com apenas o resultado de exames no laboratório Horse Center, no Rio. A probabilidade de terem se contaminado é pequena, diz o clube.

Ricardo Borges/Folhapress
Duas covas foram cavadas em uma área militar para 45 cavalos
Duas covas foram cavadas em uma área militar para 45 cavalos

A medida causou revolta em militares do Exército, que a consideraram desigual.
"Nós fizemos exames no Horse Center também, que deram negativo para a doença, e o Ministério não aceitou. Se é uma medida preventiva para impedir o alastramento da doença, todos os exames deveriam ser realizados no mesmo laboratório", afirma um militar, dono de um dos cavalos sob suspeita da doença.

O Ministério da Agricultura informou que permitiu a realização de testes no laboratório carioca por considerar "fraca a possibilidade de contaminação do animais do clube com os de Deodoro".

Os custos dos exames foram pagos pelos proprietários. Outros 96 cavalos da PM que tiveram contato com os mesmo cavalos do Exército continuam isolados.

A ameaça de contaminação dos cavalos do Exército ocorre próximo ao evento-teste de hipismo dos Jogos Olímpico de 2016, que será realizado entre 6 e 9 de agosto.

A Escola de Equitação do Exército fica a 350 metros do local, respeitando o protocolo internacional que determina um raio mínimo de 200 metros de distância da área do evento. Em caso de positivo para mormo, o cavalo deverá ser sacrificado.