13 de mai de 2015

Diplomata suspeito de matar esposa pode perder imunidade - Imunidade será retirada caso seja provado que Jesús Figón assassinou sua esposa em um ato de "violência machista"

 Foto: El Mundo / Reprodução
Figón faz parte da delegação diplomática espanhola. Foto: El Mundo / Reprodução



O ministro de Relações Exteriores da Espanha, José Manuel García-Margallo, garantiu nesta quarta-feira (13) que a Espanha abrirá mão da imunidade diplomática caso fique provado que o conselheiro de Interior da embaixada espanhola no Brasil, Jesús Figón, assassinou sua esposa em um ato de "violência machista."

"Se essa investigação avançar e provar que houve um caso de violência machista, a Espanha renunciará à imunidade diplomática que não pode servir, em nenhum caso, como álibi em fatos tão desagregáveis quanto os que se estão sendo investigados", disse o ministro à imprensa em Valência.

Gracía-Margallo explicou que deu instruções para que fique claro que a imunidade diplomática, que faz com que a apuração deste crime seja diferente de outros homicídios, não pode ser usada em casos como o de violência machista.
O ministro afirmou que a embaixada comunicou ao Itamaraty que a Espanha "não só não põe inconveniente algum à investigação em andamento, que corresponde às autoridades brasileiras", como se coloca a "disposição para colaborar na investigar de um fato da gravidade que se discute".