19 de mai de 2014

Coronel gay foi reformado pelo STM por ter relação homossexual com soldado - Contradição na Caserna. Exército afirmou que não discrimina gays, mas os fatos desmentem versão oficial da Força.

Uma recente matéria, divulgada pelo Jornal O Dia (disponível aqui), apresentava uma resposta do Centro de Comunicação Social do Exército - a voz oficial da Força Terrestre Brasileira, acerca da pergunta de um leitor gay, que gostaria de ingressar na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. 
O Exército, oficialmente através do Centro de Comunicação Social da Força, respondeu ao jornal que: "não há discriminação por parte da força militar". A nota do Exército destaca que "o respeito ao indivíduo e à dignidade da pessoa humana, em todos os níveis, é condição imprescindível ao bom relacionamento entre seus integrantes e a sociedade e está alinhada com os pilares da Instituição: a hierarquia e a disciplina!".


Porém eis uma prova da enorme contradição: Oficial Superior do Exército teve relação homoafetiva com um soldado, foi submetido a Conselho de Justificação e condenado a ser reformado. Na acórdão, o STM expressamente fundamentou que a relação homoafetiva "
consubstanciou um proceder incompatível com a dignidade e o decoro da classe". Veja a matéria.











 - - - - - 








Método comprovado cientificamente. Clique aqui e saiba mais.