14 de jan de 2014

Fábrica de blindados começa a ser construída no RS


Começa obra da fábrica de blindados em Santa Maria
Cerca de 100 operários deram início ontem construção do pavilhão da KMW. Conclusão levará seis meses

Marcos Fonseca
Começou ontem a ser erguida a fábrica de blindados de Santa Maria. A unidade do grupo alemão Krauss-Maffei Wegmann (KMW), destinada a atender a América do Sul, deve ficar pronta em apenas seis meses. A partir do segundo semestre deste ano, a empresa dará início à primeira fase do seu investimento no Brasil, com a manutenção de veículos do Exército.
Na semana passada, começaram a chegar na cidade os caminhões com materiais. O serviço está sob responsabilidade da Construtora Viero, de Erechim, especializada em obras industriais. A empresa é a mesma que está construindo a sede da fábrica de elevadores Hyundai, em São Leopoldo, investimento de mais de R$ 50 milhões que chegou a ser cobiçado por Santa Maria.
O gerente de Qualidade e Marketing da Viero, Alessandro Emilio Valmorbida, informa que cerca de 100 pessoas trabalham para a KMW. A estrutura do pavilhão da fábrica de blindados é basicamente de pré-moldados, o que assegura a rapidez do serviço. Segundo Valmorbida, a maioria dos trabalhadores foi recrutada em Santa Maria. Apenas a equipe de apoio, com engenheiros, mestres e encarregados, é de Erechim e está na cidade para conduzir os trabalhos.
Ao longo desta semana, devem começar a ser instaladas as bases do pavilhão pré-moldado. A estrutura é feita pela própria Viero, com materiais especiais. A cobertura será de metal.
O complexo industrial fica num terreno adquirido pelo grupo alemão às margens da BR-287, perto do campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). O valor do investimento não é informado. O gerente-geral da KMW em Santa Maria, Christian Böge, confirma a inauguração no segundo semestre, mas ainda há data definida.

Unidade iniciará com 50 empregados
A fábrica de blindados é um dos mais importantes investimentos feitos em Santa Maria nas últimas décadas. O gerente-geral da KMW, Christian Böge (foto), afirma que a empresa tem 30 empregados e, quando começar as operações, terá 50 funcionários. Em função da demora de mais de um ano para obter a primeira licença do investimento, o projeto sofreu modificações.
Neste ano, a fábrica ficará restrita à manutenção de blindados do Exército brasileiro. A pista de testes dos veículos, projetada para ser construída este ano, ficará para 2015. "O melhor é que houvesse, mas isso não prejudica dos testes", garante Böge. O gerente-geral prefere não revelar detalhes das negociações com as forças armadas de países da América do Sul, mercado ao qual a fábrica da KMW de Santa Maria está dirigida.
A construção da fábrica de blindados encerra um capítulo da longa novela que marcou a chegada do grupo alemão à cidade. A primeira licença ambiental emitida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) demorou um ano, alterando o cronograma dos investimentos. Agora ainda falta uma última licença, a da operação, que permitirá o início das atividades da fábrica. Para isso, no entanto, Böge garante já estar preparado. "Já estamos mais preparados para o procedimento entre governo do Estado e a Fepam", assegura.
A RAZÃO